NOTA

OS TEXTOS ASSINADOS POR OUTRÉM OU RETIRADOS
DE OUTROS BLOGUES OU SÍTIOS NÃO REFLECTEM NECESSÁRIAMENTE
A OPINIÃO OU POSIÇÃO DO EDITOR DO "desenvolturasedesacatos"

domingo, 21 de janeiro de 2018

O MISTERIOSO JARDIM DOS MONSTROS DE PEDRA

O ambiente surreal das árvores e plantas que envolvem as gigantes criaturas fazem deste parque um local imperdível para quem visita a região italiana perto de Roma.
A visita a este parque dos monstros inicia-se passando por um arco de pedra com cerca de 500 anos que levam a uma encruzilhada de escadarias envoltas em árvores e folhas que transmitem uma sensação pouco confortável para os menos aventureiros.A pouco mais de 90 quilómetros do norte da cidade de Roma está o Sacro Bosco, ou como é conhecido o "parque dos monstros". Mandado construir pelo Pier Francesco 'Vicino' Orsini, um grande líder militar da altura e patrono das artes.
O jardim foi projetado ignorando a tradicional linha renascentista italiana. Em vez de fontes ornamentadas, cercadas de sebes e de deuses e deusas romanas esculpidas, Orsini deixou as árvores e os arbustos crescerem sem orientação e encheu o seu jardim de criaturas incomuns e grotescas.
Depois da morte de Orsini, o Sacro Bosco foi abandonado à sua sorte e à da natureza. Só vários séculos depois suscitou interesse por parte do público, tendo sido impulsionado pelas visitas do artista Salvador Dalí. O próprio Dalí inspirou-se nas criaturas gigantes cobertas de musgo e produziu uma curta-metragem em 1948 sobre este tema. Além disso, há também pinturas da década de 60 sobre o Sacro Bosco.
Este renovado interesse pelo Sacro Bosco estimulou o debate entre os estudiosos da história de arte, que continua até hoje: o que Orsini tentou comunicar através da sua criação bizarra?
Há quem acredite que os monstros foram inspirados por Arcadia, a representação de Utopia descrita em Aeneid de Virgil e Orlando Furioso de Ludovico Ariosto - um lugar onde a arte e a natureza estão entrelaçadas. Outros argumentam que Orsini construiu o Sacro Bosco para combater o jardim do seu amigo, Cristoforo Madruzzo. O jardim de Madruzzo, nas proximidades de Soriano di Cimino, representava tudo o que era bom e leve no mundo, enquanto Orsini, construído em oposição direta a Madruzzo, representa os seus elementos escuros e discordantes.
Há ainda uma terceira visão em que as criaturas malvadas representam os demónios pessoais de Orsini nascidos das tragédias da sua vida. Um general no exército do papa durante a Reforma, Orsini passou vários anos como prisioneiro de guerra na Alemanha após uma campanha militar em 1553.
De acordo com Melinda Schlitt, professora de história da arte e humanidades no Dickinson College, no centro da Pensilvânia, EUA, a resposta para entender o propósito do jardim reside nas inscrições que Orsini deixou para trás.
Escondido perto do coração do jardim está o belvedere, uma pequena perspetiva que lembra a torre de um castelo. Uma pequena escada serpenteia ao seu lado, acompanhada da inscrição: "E todas as outras maravilhas antes apreciadas pelo mundo cederam ao Sacro Bosco que se assemelha apenas a si mesmo e nada mais".
Em outras palavras, em vez de procurar o significado por trás da criação de Orsini, devemos apreciar o jardim pela maravilha que ele é.
Muitos dos monstros agora descansam pacificamente atrás de pequenas barreiras onde as suas características macabras podem ser protegidas dos turistas.























viagens.sapo.pt

ARQUEOLOGIA NO ALGARVE


O Centro Nacional de Cultura vem propor visitas a alguns dos monumentos arqueológicos mais importantes da região algarvia.
Villa Romana de Milreu  Estoi (Faro)
A região do Algarve foi, desde tempos muito recuados, testemunha da presença do homem. Os vestígios mais antigos encontrados remontam ao Paleolítico e prolongam-se pelo Bronze Final e Idade do Ferro. No final da Idade do Ferro, o início de um novo ciclo começa a impor-se com a romanização. O desenvolvimento inerente a esta ação está bem patente no elevado número de vilas, nos restos de panos de muralha, nas barragens, nos vestígios da exploração mineira, nos tanques ou cetárias, ligados aos preparados piscícolas (garum - que era exportado para as diversas partes do império romano), nas pontes, troços de vias e calçadas, nas cerâmicas, etc. 
Esta importância é aliás comprovada por autores antigos nos documentos clássicos ao referirem lugares e cidades (algumas pré-romanas), que eram pontos de confluência de estradas e dos percursos fluviais e marítimos, contribuindo para a consolidação da sua importância. 
As vilas ou casas rurais romanas são o testemunho civilizacional da família rústica romana e do seu apego à posse e trabalho da terra. Constituíam grandes propriedades autosuficientes, geridas por um senhor, que no seu conjunto, além da casa do amo, integravam diversas dependências destinadas à exploração agrícola, casas de servos e escravos. Por vezes as vilas não constituem apenas complexos agrícolas, funcionando também como centros industriais.
Entre as mais importantes, conta-se a vila romana de Milreu, próximo de Faro, sendo possível ver-se uma casa senhorial de grande dimensão e aspeto luxuoso, datável do séc. I ou II, que integra um peristilo com colunas. As áreas destinadas a banhos, mostram os pavimentos e paredes dos tanques e piscinas revestidos por belos mosaicos, cuja decoração é alusiva a animais marinhos. Dos finais do séc. III, inícios do séc. IV, foi levantado um templo dedicado a divindades aquáticas. 
Outra vila romana que merece uma visita atenta é a do Cerro da Vila, Vilamoura (Loulé). Trata-se de uma vila do séc. III, embora o local tenha sido ocupado desde o séc. I até bastante mais tarde (período muçulmano).


A sua situação, junto do porto, permitiu-lhe, sem dúvida, um desenvolvimento económico assinalável, sendo disso prova a existência de tanques de salga de peixe e um núcleo de casas de apoio. A vila possui peristilo e dois conjuntos destinados aos banhos. Elaborados desenhos de configuração geométrica estão representados nos pavimentos das salas. Não longe, no Vale do Tesnado, uma barragem romana servia o abastecimento de água que era trazida através de um aqueduto.

Também aproveitou os dividendos resultantes da situação de proximidade marítima, a vila romana da Praia da Luz (Lagos).
Entre diversas estruturas, podem ser vistas termas com o habitual revestimento dos pavimentos a mosaico e um complexo industrial composto por cetárias.

estação romana da Quinta da Abicada (Portimão) corresponde a outra notável vila, com testemunhos que vão do séc. I ao séc. IV. A casa mostra dois peristilos, sendo o da parte central hexagonal.




Referimos ainda as ruínas lusitano-romanas da Boca do Rio, Budens (Vila do Bispo), uma vila com vestígios de ocupações dos séculos I a V.

Promotor

Centro Nacional de Cultura

www.e-cultura.sapo.pt


Painéis de azulejos - Quarteira


Na parede do mercado de Quarteira, podemos encontrar estes painéis de azulejos que retratam a vida de outros tempos.
 






TAL COMO SÁ CARNEIRO E CAMARATE EM ALTURAS ELEITORAIS, A MÚMIA CAVAQUISTA RESSUSCITA


EUA apanhados em situação difícil no norte da Síria


por M K Bhadrakumar
A guerra na Síria está em vésperas de uma viragem monumental com a grande operação militar turca no norte da cidade síria de Afrin iniciada no sábado [20/Jan]. O presidente Recep Erdogan anunciou hoje que uma operação no terreno também fora lançada juntamente com bombardeamentos de artilharia e ataques aéreos. Disse ele que uma operação contra a cidade de Manbij, cerca de 140 milhas [225 km] a leste, virá a seguir. (Ver mapa da Google aqui .)

Afrin e Manbij são actualmente controladas pelas forças curdas sírias alinhadas com os EUA. Os EUA, os quais têm cinco bases no norte da Síria nos territórios controlados pela milícia curda, em 2016 ajudaram directamente a ocupação de Manbij pela milícia curda. Portanto, a operação turca significa um desafio estratégico aos EUA. Washington instou Ancara reiteradamente a não fazer quaisquer movimentos militares contra a milícia curda.

Mas o que finalmente se mostrou decisivo parece ter sido o plano dos EUA para criar uma força curda de 30 mil homens no norte da Síria com a intenção de utilizá-la como um proxy. Erdogan sente que os EUA está a ir em frente com o projecto de criar um enclave curdo no norte da Síria ao longo da fronteira turca como um centro estratégico para suas futuras intervenções na Síria e no Iraque. Naturalmente, um tal enclave no Curdistão apresentará para a Turquia uma ameaça a longo prazo para a sua segurança nacional, pois dá estímulos aos separatistas curdos na Turquia. Erdogan mantinha-se a implorar a Washington para não se alinhar com os curdos mas sem resultado e agora decidiu-se a tomar o assunto nas suas mãos.

O desenvolvimento de hoje poderá levar a uma confrontação entre os EUA e a Turquia. Na quinta-feira o porta-voz da Casa Branca apelou explicitamente à Turquia a que não empreendesse quaisquer operações militares. O secretário de Estado Rex Tillerson telefonou neste sábado ao seu homólogo Mevlut Cavusoglu, no momento em que a operação parecia estar iminente.

A posição do Irão e da Rússia vai ser crucial. O Irão partilha preocupações da Turquia acerca da aliança dos EUA com os curdos (os quais também têm ligações a Israel) e respeitantes a qualquer Curdistão na região. Portanto, se bem que o Irão possa exprimir reservas quanto à operação turca (a qual é uma violação da soberania nocional da Síria), é improvável que actue contra a Turquia.

O foco do Irão está nas operações em curso do governo sírio no noroeste da província de Idlib, a qual é enormemente estratégica uma vez que está na linha de costa junto ao Mediterrâneo Oriental. A Rússia actualmente também está a concentrar-se nas operações em Idlib, a qual é adjacente à província de Latakia (também ao longo do Mediterrâneo Oriental) onde estão situadas a base naval russa em Tartus e a base aérea em Hmeimim.

É concebível que haja um entendimento tácito de que a Turquia pode não objectar (excepto, é claro, verbalmente) às operações sírias (ajudadas pela milícia apoiada pelo Irão e a Rússia) para esmagar os filiados à al-Qaeda presentes em Idlib e proteger aquela grande província. Os media iranianos informaram hoje que forças do governo sírio capturaram a base aérea estratégica de Abu al-Dhohour no sudeste de Idlib à Frente al-Nusra (filiada à al-Qaeda) no sábado à tarde.

Quanto à posição russa, significativamente, na quarta-feira Erdogan enviou o vice-chefe do Estado-Maior turco, Gen. Hulusi Akar e ao chefe da Organização de Inteligência Nacional, Hakan Fidan, num voo a Moscovo para reunir-se com o chefe do Estado-Maior russo, Valery Gerasimov, e a inteligência russa. Claramente, houve um alto grau de coordenação entre Moscovo e Ancara na decisão de Erdogan de ordenar a operação militar turca. Moscovo exprimiu preocupação acerca das operações turcas e apelou à contenção mas simultaneamente também retirou para fora de perigo pessoal russo da vizinhança de Afrin.

Não há razão concebível para que Moscovo deva ajudar os americanos – contra o pano de fundo a Nova Guerra Fria. De modo interessante, na sexta-feira o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, atacou duramente os EUA alegando que estavam a balcanizar a Síria. Ele disse isto numa conferência de imprensa na Sede da ONU em Nova York. Citação de Lavrov: "Os EUA estão realmente a estabelecer corpos de governo alternativos em grandes partes da Síria, o que contraria as obrigações em relação à integridade territorial da Síria que têm reafirmado e a que se comprometeram, particularmente nas reuniões do Conselho de Segurança. Estamos preocupados acerca disso".

No dia 15 de Janeiro, numa conferência de imprensa em Moscovo, Lavrov fez algumas declarações francas:
Podemos ver as aspirações não para resolver o conflito (sírio) tão logo quanto possível, mas sim para assistir aqueles que desejariam dar passos práticos para mudar o regime... As acções, podemos ver agora, demonstram que os Estados Unidos não querem manter a Síria territorialmente integrada. Foi só ontem que ouvimos acerca de uma nova iniciativa de que os EUA querem ajudar as assim chamadas forças da Síria democrática a organizarem algumas zonas de segurança na fronteira. De facto, isso significa separação de um enorme território ao longo das fronteiras com a Turquia e o Iraque.
Como é que tudo isto faz sentido? Na minha opinião, tanto a Rússia como o Irão simplesmente sentarão com os braços cruzados e observarão como Erdogan cuida de esmagam o principal proxy dos EUA (a milícia curda) no norte da Síria. Na verdade, eles não têm nada a perder se se seguir um confronto desagradável entre os EUA e a Turquia, duas grandes potências da NATO. Por outro lado, se a Turquia tiver êxito em vencer a milícia curda, os EUA não terão outra opção senão desocupar o norte da Síria, o que também funciona em vantagem da Rússia e do Irão. Dito resumidamente, a administração Trump deu um passo maior do que as pernas com a sua decisão insensata de manter indefinidamente a presença militar dos EUA na Síria "para conter Assad e o Irão" . Teerão sabe muito bem que se os EUA forem forçados a desocupar a Síria, o projecto estado-unidense-israelense contra o Irão tornar-se-á uma piada no bazar do Médio Oriente.

As próximas semanas vão ser cruciais. Se os EUA se mostrarem impotentes enquanto a Turquia esmaga seus aliados na Síria, isto será uma enorme perda de face para a administração Trump no plano regional. Enquanto isso, a Turquia está a cooperar activamente com a Rússia nos preparativos para manter um Diálogo Nacional Sírio (de representantes do governo e da oposição) em Sochi, dias 29-30 de Janeiro. A Rússia agora consegue uma outra oportunidade para acelerar o entendimento sírio.

 resistir.info

ALGUNS ANIMAIS COM MARCAS REAIS MUITO ESPECIAIS

Graças à internet, os nossos animais de estimação deixaram o fundo do quintal e o alto dos móveis da nossa casa para ganhar lugar de destaque nas nossas redes sociais. No mundo virtual, eles provocam as mais diversas reações: seja por causa do seu jeito desastrado de levar a vida, pela sua beleza ímpar ou por sua maneira despretensiosa de encher de alegria a nossa rotina. Alguns bichinhos, porém, se tornaram famosos por causa de suas peculiares marcas de nascença. A seguir, você descobre um pouco mais sobre essa diversidade surpreendente: 

1. A vaca que nasceu com um número 7 estampado em seu rosto

vaca

2. Já esta aqui tem marcado na testa um singelo coração

singelo coração

3. O famoso dois em um

famoso

4. O dono deste cão enxerga em seu rosto a silhueta de um anjo

silhueta de um anjo

5. As sobrancelhas deste cão são de derreter qualquer coração

qualquer coração

6. A pelagem deste animal abre margem para maliciosas interpretações

maliciosas interpretações

7. Um gato em outro gato

gato em outro gato

8. Sinal da cruz

Sinal da cruz

9. Aqui, um pinguim com o coração encravado no lado externo do peito

externo do peito

10. O cachorro que parece ter brincado onde não devia

brincado onde não devia

11. A vaca que é uma grande interrogação

grande interrogação

12. O filhote de cachorro com patinhas no focinho

patinhas no focinho

13. Este porquinho e seu adorável coração

adorável coração

14. E, para finalizar, um gato com um farto bigode

farto bigode

15. E outro, com um elegante chapéu

elegante chapéu
www.megacurioso.com.br